Campo Grande (MS), Sábado, 16 de Outubro de 2021

Geral

Julgamento do assassino confesso de Carla Magalhães

13/08/2021

10:20

JE

Assassino de Carla ficou em silêncio e pediu para ver júri por videonconferência

Amparada pelo terço, mãe de Carla encara assassino da filha no tribunal do júri ©Henrique Kawaminami
Desde que a prisão do assassino confesso da filha Carla, a mãe Evanir Santana Magalhães queria olhar na cara de Marcos André Vilalba Carvalho. Chegou a pedir isso ao delegado à época. Nesta sexta-feira (13), um ano e um mês depois do crime, dona Evanir conseguiu.
 
Com terço nas mãos, ela foi uma das últimas a entrar no plenário onde Marcos já aguardava sentado no banco dos réus. Evanir sentou na fileira mais próxima do plenário, no ponto mais distante do réu.
 
Sentando no banco dos réus, Marcos permaneceu de cabeça baixa enquanto ouvia o juiz repetir detalhes da sua confissão de assassinato. Vista de longe, a figura magra não passa a dimensão da brutalidade do crime.
Assassino confesso, Marcos não quis se manifestar e pediu para acompanhar julgamento pela sala de videoconferência ©Henrique Kawaminami
Enquanto esperava para falar, dar pela última vez sua versão sobre o crime, manteve os olhos baixos e a mão firme no microfone.
 
Ao ser questionado sobre o que gostaria de fazer diante do próprio julgamento, respondeu: "Vou ficar em silêncio".
 
Depois de recusar prestar depoimento, pediu para acompanhar o julgamento do sala de videoconferência, onde permanece de cabeça baixa.
 
Antes disso, no entanto, o juiz revelou detalhes das confissões anteriores: depois de beber e usar drogas Marcos encontrou Carla em frente de casa. Usou um golpe mata-leão para imobiliza-la e arrasta-la para dentro da própria casa. Estuprou e matou a vizinha por medo de ser denunciado.
 
Ao juiz, afirmou que usou uma faca para matá-la, mas não sabe dizer quantos golpes deu, ou onde os deu. Não soube dizer os motivos que o levaram até aquele momento, mas ainda assim enrolou o corpo em cobertas e o escondeu em baixo da cama. Conviveu com a vítima morta por três dias, depois a carregou até um bar a poucos metros da casa e o deixou ali.
Marcos já acompanhando júri pelo telão. Ao fundo do lado direito estão os sete jurados que vão decidir pela condenação do réu ©Henrique Kawaminami
O assassino confesso ainda afirmou que tinha desejos por Carla e também raiva, porque dias antes cumprimentou a vizinha e foi ignorado por ela.
 
A mãe e o assassino - Evanir se manteve firme e ficou inquieta no momento em que a assistência da acusação passou as imagens de Carla morta aos jurados. O advogado José Belga Trad abriu mão de mostrar as fotos no telão por causa da família e chegou a dizer isso ao plenário.
 
"Espero que ninguém faça com esse rapaz, o que ele fez com essa moça", disse José Belga.
 
Enquanto passava as fotos, Marcos, exibido no telão por videoconferência, baixou ainda mais a cabeça e só mudou a postura quando no plenário falaram sobre a homossexualidade.
 
Nos detalhes do depoimento, o plenário já tinha tomado conhecimento de que Marcos disse que era gay ao delegado à época do crime, na intenção de escapar da polícia. O que não deu certo.
Assistente de acusação, José Belga Trad escolheu não mostrar fotos de Carla no telão por conta da família, e passou computador entre os jurados ©Henrique Kawaminami
Enquanto o assistente de acusação José Belga Trad afirmou que o réu também tinha desejos por homens, Marcos levou as mãos na cabeça e baixou o corpo em direção ao joelho. Mas logo se endireitou na cadeira e voltou a olhar para o chão.
 
O advogado explicou que tocou nesse ponto apenas por um motivo: apesar de ter desejo por homens também, Marcos escolheu uma mulher para ser alvo do seu crime, alguém que ele conseguiria dominar.
 
Promotor - Quando assumiu a palavra, o promotor do caso, Bolivar Luís da Costa Vieira, ficou com a voz embargada ao descrever o crime.
 
"Já fiz vários júris contra integrantes do PCC, com várias facadas, mas um estupro seguido de uma morte tão brutal, é a primeira vez". Ele detalhou e explicou os crimes conforme a legislação.
Mãe chora e sofre ao ouvir detalhes cruéis da morte da filha ©Henrique Kawaminami
No plenário, ouvindo esses pequenos detalhes, como da esganatura da Carla, a dona Evenir se emocionou. Os detalhes do estupro também mexeram com a família.
 
Evanir chorou ao ouvir o que os laudos da violência sexual apontaram. A firmeza de antes deu lugar ao sofrimento de uma mãe perdeu a filha de forma tão brutal.
 
O julgamento começou 8h da manhã. No banco dos jurados, formado por sete pessoas, duas são mulheres.
 
Fonte: CAMPO GRANDE NEWS
Por: Paula Maciulevicius Brasil e Geisy Garnes
 
***

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Últimas Notícias

Veja Mais

Envie Sua Notícia

Envie pelo site

Envie pelo Whatsapp

RedenewsMS © 2021 Todos os direitos reservados.
PROIBIDA A REPRODUÇÃO, transmissão e redistribuição sem autorização expressa.

Site desenvolvido por: