Campo Grande (MS), Sábado, 16 de Outubro de 2021

Fronteira

Morre no hospital a 5ª vítima de chacina na fronteira

Rhafaelli Alves do Nascimento, que estava internada em um hospital do Brasil, não resistiu aos ferimentos

12/10/2021

08:25

CAMPOGRANDENEWS

VIVIANE OLIVEIRA

Morreu no hospital a brasileira Rhafaelli Alves do Nascimento, 20 anos, a 5ª vítima da chacina ocorrida no sábado (9), no Bairro General Díaz, em Pedro Juan Caballero, cidade vizinha de Ponta Porã (a 323 km de Campo Grande). A morte foi confirmada nesta manhã (12) pelo chefe de investigação de Homicídio, Crio Hugo Grance, em entrevista para a ABC TV.
 
Conforme o site Abc Color, Rhafaelli estava internada em um hospital do Brasil. Morreram na chacina a douradense Kaline Reinoso de Oliveira, 22 anos, Haylee Carolina Acevedo Yunis, 21 anos, filha do governador de Amambay Ronald Acevedo, a mato-grossense Rhamye Jamilly Borges de Oliveira, 18 anos, e Osmar Vicente Álvarez Grance, o “Bebeto”, 32 anos, que seria o alvo dos pistoleiros.
 
Um paraguaio de 18 anos e a Rhafaelli ficaram feridos no atentado. Segundo a polícia paraguaia, pelo menos, 110 tiros de fuzis calibres 7,62 e 5,56 foram disparados pelos três pistoleiros que desceram de uma Toyota Hilux prata.
 
Prisão - Na manhã de ontem (11), seis brasileiros foram presos na fronteira, por suspeita de ligação na chacina. Eles foram localizados numa casa na Colônia Cerro Cora’i, nos arredores de Pedro Juan Caballero.
 
Na casa foram presos Hywulysson Foresto, Juares Alvers da Silva, Luis Fernando Armani e Silva Simões, Gabriel Veiga de Sousa, Farley José Cisto da Silva Leite Carrijo e Douglas Ribeiro Gomes. Todos foram levados para a sede da Polícia Nacional em Pedro Juan Caballero.
 
Na residência, os agentes do Departamento de Investigações da polícia paraguaia também apreenderam um Fiat Uno cinza, um Gol branco e um Palio prata, todos com placas brasileiras. Também foram encontradas três placas de outros veículos, celulares, joias e 74 gramas de maconha.
 
Críticas - O governador de Amambay, Ronald Acevedo, fez duras críticas ao governo paraguaio no combate ao crime organizado, dizendo que não acredita na justiça dos homens para encontrar quem matou sua filha, Haylee Carolina.
 
“Estamos destroçados”, disse Acevedo, em entrevista a uma rádio paraguaia. “Essas duas meninas que estavam com minha filha, estudantes de Medicina, também vieram para novo sonho, encontraram a nova Colômbia, a nova Sinaloa [México], chamada Pedro Juan Caballero”, disse o governador, referindo-se ao cartel mexicano mais perigoso do mundo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Últimas Notícias

Veja Mais

Envie Sua Notícia

Envie pelo site

Envie pelo Whatsapp

RedenewsMS © 2021 Todos os direitos reservados.
PROIBIDA A REPRODUÇÃO, transmissão e redistribuição sem autorização expressa.

Site desenvolvido por: